quinta-feira, janeiro 10, 2008

Saudades do meu Pai


Hoje decidi escrever sobre saudades que é essa dor que incomoda no peito é querer tanto estar com alguém aqui do lado...

Querer voltar o relógio e viver novamente um momento, falar alguma coisa com ternura, fazer alguma coisa que queria ter feito ou abraçar muito alguém.

Estou assim hoje, acordei com saudades do meu pai... queria muito dar-lhe um abraço apertado, um beijo no rosto e dizer o quanto eu amo ele.



Cada um tem sua vida e Deus sabe bem o tamanho da cruz que cada um pode carregar, e não estou reclamando do tamanho da minha cruz não, pelo contrário agradeço por ela, mas não posso negar que gostaria demais que meu pai ainda estivesse aqui pra, tenho tantas coisas que queria falar e fazer com ele, acho que ele teria orgulho de minhas vitórias, puxaria minhas orelhas por algumas coisas, me aconselharia... e me daria a mão pra me levantar de meus tombos.

As vezes vejo jovens maltratando os seus, não dão valor pra uma figura que eu gostaria tanto de ter por perto. Se você ainda tem o seu, chegue em casa e faça
o que eu faria, dê um abraço e um beijo nele.

14/11/1994 foi o dia que meu pai se foi, eu tinha 11 anos... Pai esteje com Deus e sinta-se abraçado e beijado por seu filho que te ama.

Com não tenho nenhuma foto abraçando ele, coloquei uma foto nossa (Cé, Nin e eu), pois tenho certeza que cada um de nós gostaríamos muito de estar abraçando
ele agora.
Pai
Fábio Jr
Composição: Fábio Jr.
Pai!
Pode ser que daqui a algum tempo
Haja tempo prá gente ser mais
Muito mais que dois grandes amigos
Pai e filho talvez...
Pai!
Pode ser que daí você sinta
Qualquer coisa entre
Esses vinte ou trinta
Longos anos em busca de paz...
Pai!
Pode crer, eu tô bem
Eu vou indo
Tô tentando, vivendo e pedindo
Com loucura prá você renascer...
Pai!
Eu não faço questão de ser tudo
Só não quero e não vou ficar mudo
Prá falar de amor
Prá você...
Pai!
Senta aqui que o jantar tá na mesa
Fala um pouco tua voz tá tão presa
Nos ensine esse jogo da vida
Onde a vida só paga prá ver...
Pai!
Me perdoa essa insegurança
Que eu não sou mais
Aquela criança
Que um dia morrendo de medo
Nos teus braços você fez segredo
Nos teus passos você foi mais eu...
Pai!
Eu cresci e não houve outro jeito
Quero só recostar no teu peito
Prá pedir prá você ir lá em casa
E brincar de vovô com meu filho
No tapete da sala de estar
Ah! Ah! Ah!...Pai!
Você foi meu herói meu bandido
Hoje é mais
Muito mais que um amigo
Nem você nem ninguém tá sozinho
Você faz parte desse caminho
Que hoje eu sigo em paz
Pai! Paz!...

... Paaaaaaiiiiiii....

Um comentário:

Anônimo disse...

Lê, admiro vc , admiro suas palavras, sua facilidade de expresar o que sente... o que escreveu me fez refletir sobre o meu pai... ele ainda está vivo e hoje ele passou aqui(no trabalho) e me deu alguns conselhos, eu simplesmente esqueci de dizer-lhe: te amo pai.. é tão simples não?? não o abracei tbm... mas beijei sua face e pude sem palavras expressar a minha gratidão... talvez se eu tivesse pensado na possibilidade de que em breve ele não estará mais presente neste mundo... teria sido mais biruta, teria agarrado ele, pulado no pescoço e virado criança outra vez....... vc é um exemplo de filho.. curta essa saudade boa e se der um nó na garganta.. não segure o choro....
Sua amiga,
Viviane.

Ocorreu um erro neste gadget