sexta-feira, março 27, 2009

desenhos...

Quem disse que não sou importante?

Para minha criação foi preciso de vários anos, de estudo... átomos e substâncias, corantes, contas e mais contas... para que eu surgisse, como uma idéia brilhante! Alguma coisa revolucionária, inovadora, tecnológica...

Isso tudo foi somente para o processo criativo, viabilidade, etc...

E para me produzir? Pessoas, aos montes... máquinas e mais máquinas... líquidos retirados do fundo do mar, petróleo transformado, o mesmo petróleo utilizado no plástico do tubo é o petróleo da minha tinta, só que transformado... e ainda assim é modificado mais uma vez misturado com corantes, e também é do petróleo que é feito o meu charme, a bolinha da ponta... que por sua vez me dá o nome de esferográfica.

Muito prazer, sou a caneta! Não uma caneta qualquer olha lá... sou uma esferográfica, chique não? Diga em voz alta... es-fe-ro-gráfica, adoro meu nome. Se você não gosta do seu pode pegar o meu não me importo com cópias, aliás cópias é uma de minhas grandes utilidades, cópias de matérias em quadros negros, cópias de telefones, cópias de textos, cópias de receitas, e até de respostas de provas alheias a famosa “cola”...

Assino acordos de paz e infelizmente declarações de guerras...
Nã-nã-não... isso não diminui minha nobreza, também sou usada em processos criativos, idéias inovadoras, tecnologias, contas e mais contas, como aquelas idéias que me criaram.
E contratos? Adoro estes... se não estivesse presente, não haveriam acordos, nações não se ajudariam, casais não iriam se unir, países não seriam independentes.

Assino cheques... e escrevo palavras para que o tempo não as leve embora... posso ser de qualquer um, desde um presente caro, com nome francês e desenho de neve... até baratinha e transparente com tampinha gostosa de mastigar e coçar as orelhas.

Sou fã de verdade de cartas de amor... ah.. como são lindas... como naquele poema que copiei muitas vezes, “cartas de amor ridículas”, quanto mais ridículas melhor... mais emocionantes... as vezes dá vontade de vazar minha tinta de tão emocionada que fico... a esferográfica aqui atingindo de cheio o coração de alguém.

As vezes sou utilizada por juízes, advogados, para assinar sentenças e documentos chatos... mas essa parte é ruim e não quero escrever sobre isso, cada barbaridade que assinam comigo... é de deixar qualquer caneta tremendo.

Mas participo também das primeiras palavras de alfabetização de uma criança, que coisa linda... e aqueles desenhos incompreensíveis de mini-pessoas descoordenadas cheias de amor por seus pais, amiguinhos e professores... o melhor deles é aquele da mão, quem nunca me utilizou pra passar em volta de sua mão e ver o formato? Tããããoooo legal... ei.. psiu?você ai que respondeu “eu”... não vai embora assim não, fique quieto e faça um desenho do formato da sua mão agora, isso é muito bom e vai deixar sua mãe bem feliz!!!

Vivo de altos e baixos... nas mãos de um professor, sai de mim um “10”... ou um “0”...
Nos bons momentos sai de mim a palavra “amor”... e com uma carinha triste alguém também escreve comigo “saudades”...
No diálogo que começa escrevo um Oooooiiiiiii feliz... ou um tchau murcho...

Mas a palavra que me dói mesmo, é a que precisarei escrever pra vocês agora: Adeus!

Vamos desenhar com a e-s-f-e-r-o-gráfica?

Step 1:
Materiais necessários.
· Desenho papel
· Lápis
· Eraser
· Régua
· Qualquer objecto circular, como uma moeda, botão grande, etc, dependendo do tamanho do coração


Step 2:
Freehand desenho. Este é um dos métodos de ensaio e erro que você pode usar para desenhar um coração. Para isso, você só precisa do papel, lápis e borracha a partir das matérias enumeradas no passo um. Para começar, chamar o número 3 na horizontal sobre o papel com as suas faces aberta virada para baixo. Em seguida, a partir de cada uma das extremidades do extremo 3 forma, desenhe duas linhas, que correm para baixo para responder uns aos outros em forma de V. Jogar ao redor com a forma a evitar ter que olhar demasiado simétrico e reto, uma sombra ligeira curva em torno de as duas linhas do V dar-lhe uma aparência mais realista.


Step 3:
Utilizar o objecto circular e régua. No segundo método, em vez de tirar o coração livre, utilize o objecto circular que você escolheu e a régua para desenhar.


Step 4:
Desenho a metade superior. Utilizar a moeda ou o botão para chamar dois semi-círculos no papel. Colocar o botão de moeda ou de papel e utilizar um lápis desenhar em torno da metade superior da circunferência para obter a primeira semi-círculo. Depois da moeda para o lado direito da primeira metade círculo e chamar uma outra forma que as duas extremidades da meia círculos reunir-se mutuamente.


Step 5:
Desenho a metade inferior. Usando a régua, desenhe duas linhas a partir do exterior da meia termina círculos, com as linhas inclinada para o outro a se reunir em um V.


Step 6:
Encerrando o coração. Tal como no passo dois, use o lápis e borracha para se livrar de curvas demasiado perfeito ou linhas, execute o lápis ao longo de todo o esquema sem utilizar a moeda / botão ou governante para dar-lhe um realista vacilante sente.

Um comentário:

Deives Ferreira Nepomuceno disse...

Legal o comentário da caneta.

Um objeto tão simples e tão usado. Isso me fez lembrar aquela história da caneta que tivemos na padoca com o Renato lembra House?

"Pra mim eu assino com a caneta do Pero Vaz de Caminha". (Renato F.)

Ainda vou dar uma caneta de pena pra ele (haha).

Abraços

Ocorreu um erro neste gadget